cinta modeladora

Como é a recuperação da barriga no pós-parto?

As cintas modeladoras são um excelente auxiliar para as gravidas e mulheres que estão enfrentando o pós-parto. Com as mudanças causadas no corpo, a sua utilização é altamente recomendada para fins de segurança e conforto nos períodos citados.

Portanto, em casos nos quais as mulheres passam por cesáreas, é ainda mais indicado por causa da cirurgia, visto que as cintas são capazes de ajudar em uma série de questões, como a diminuição dos inchaços, além de garantirem uma postura melhor. Dessa forma, se tornaram muito populares entre pacientes em recuperação cirúrgica.

No entanto, como existem diversos tipos de cintas modeladoras no mercado, cada uma possui uma finalidade distinta e pode se adequar mais à necessidade dos usuários. Por isso, é preciso haver uma escolha consciente do modelo, contando até mesmo com a ajuda de um profissional da saúde para tal.

Como devo usar a cinta modeladora?

Para escolher uma cinta modeladora é preciso levar em consideração todos os aspectos da gravidez e do parto. Portanto, em casos de partos normais, nos quais a mulher apresente condições de permanecer em pé sozinha, ela já poderá fazer uso de uma cinta.

O período, no entanto, pode variar de mulher para mulher. Isso é decorrente das dores que elas venham a sentir após o parto ou mesmo das necessidades específicas quanto aos seus corpos. Entretanto, a recomendação médica padrão é que o uso das cintas não se prolongue por mais do que 3 meses.

É válido destacar que antes mesmo do início desse uso uma avaliação cuidadosa deve ser feita. Assim, a mulher que se interessar pelo uso da cinta modeladora precisará primeiramente encontrar um modelo que seja seguro e confortável, lhe garantindo a capacidade de ser independente no seu dia a dia.

Saiba como escolher a melhor cinta para o pós-parto

Levando em consideração que cada tipo de cinta modeladora possui uma finalidade devido às suas estruturas, aos materiais de fabricação e à forma como ela é modelada no corpo, é preciso que as mulheres grávidas experimentem os modelos indicados para garantir conforto e só então efetuem a compra.

Em alguns casos, as mulheres que utilizam as cintas após o parto podem enfrentar problemas caso esta não seja adequada para a sua situação. Nesses casos, as mulheres poderão passar por um acúmulo de seroma, líquido formado no local onde foi realizada a cesárea.

Logo, para garantir que a cinta modeladora seja usada de forma correta, é preciso priorizar o conforto acima de tudo. Isso porque uma cinta muito apertada, que não se encaixe de forma correta ao corpo da mulher, pode trazer mais prejuízos do que benefícios.

No caso de mulheres que passaram por um parto normal, a cinta modeladora pode ser usada de imediato, uma vez que não ocorreu uma cirurgia. Dessa forma, quando o cenário for esse, as pacientes poderão usar a cinta durante o dia e mantê-la no corpo mesmo durante o sono.

Porém, a recomendação é que esse uso não se estenda por longos períodos. Assim, o mais indicado é que a cinta seja usada apenas por 3 meses após o parto. Então, a partir desse ponto, a mulher poderá retomar a sua rotina normal, praticando exercícios que ajudem no fortalecimento da musculatura abdominal.

Devido aos fatos destacados, existem alguns modelos de cintas no mercado que são os preferidos para o período pós-parto. Nesse sentido, um dos mais utilizados é o modelo de calcinha de cintura alta, cujo nome é autoexplicativo.

Esse tipo de cinta vai manter a barriga controlada, de forma que a mulher consiga retomar o corpo que possuía antes da gravidez. Logo, ela pode ser uma opção bastante confortável para esse momento, visto que algumas mulheres tendem a sentir dores na região da cirurgia.

Apesar do formato semelhante, as cintas mais usadas pelas mulheres após o parto contam com algumas variações. Entre as principais diferenças é possível destacar as cintas de cintura alta ou baixa, bem como as que possuem um busto dedicado à amamentação dos bebês. Além disso, ainda existem no mercado opções com pernas ou sem pernas.

No caso das cintas que contam com pernas, além de auxiliarem na modelagem da barriga, elas também ajudam a modelar as pernas. Em muitos casos, podem ser usadas com vestidos, saias e calças sem que nem mesmo sejam percebidas, conferindo conforto e alívio às mulheres.

Benefícios do uso das cintas modeladoras no pós-parto

Conforme o frisado anteriormente, as cintas trazem diversos benefícios se usadas de uma forma correta. Sendo assim, no caso das grávidas e mulheres que passaram por partos, além dos cuidados que devem ser levados em consideração, destacaremos a respeito dos pontos positivos das cintas modeladoras.

Por mais que o uso desse acessório não seja obrigatório no pós-parto, é altamente recomendado que as mulheres levem em consideração essa opção. Isso por as dores que podem ser sentidas contarão com uma redução devido à compressão do abdômen feita pela cinta.

É um fato que as atividades diárias das mães acabam sendo, além de exaustivas, muito prejudiciais para a coluna. Assim, tarefas como amamentação, segurar o bebê no colo e o movimento de colocá-lo no berço, com o passar dos dias, podem trazer algumas consequências negativas.

Dessa forma, ao usar a cinta ela fará com que o corpo fique comprimido, garantindo um maior segurança e também uma postura melhor para que a mãe passe por menos dores nas costas em suas atividades de rotina. Como os músculos abdominais estarão mais fracos, é normal passar por essas dores, mas elas podem ser diminuídas.

Mesmo após o parto, as mulheres enfrentam mudanças em seus corpos, como o útero que permanece muito grande. Com o uso da cinta, bem como em razão das compressões citadas, o útero voltará à sua posição normal, anterior à gravidez, resolvendo um dos incômodos femininos desse período pós-parto.

Além disso, outro benefício que merece destaque é que com o uso da cinta, a mulher poderá passar por um período de cicatrização inferior. Caso usada de forma adequada, com uma boa escolha de modelo, a cinta modeladora pode ajudar na redução da produção de seroma.

Esse líquido que normalmente aparece na região da cesárea das mulheres e, em muitos casos, está ligado à cicatrização lenta. Sendo assim, com o uso da cinta e a aceleração do processo, o seroma pode nem mesmo aparecer no período de recuperação.

Por fim, um ponto de extrema importância é o fato de que nesse momento, como as mulheres enfrentam um acumulo de hormônios, a sensibilidade pode estar muito grande. Dessa forma, a cinta pode auxiliar no processo de recuperar a autoestima, garantindo que as mulheres se sintam mais seguras.